quarta-feira, 1 de junho de 2011

Bruma




Não falo
Não ouço
Não choro
Não sorrio
Desista!
Não estou!


Ando por aí
Por pensamentos perdidos
Por lembranças confusas
Por abraços não dados
Por beijos só desejados


Ando por aí
Onde não há
Vago, esmaeço
Leve pluma
Fumaça
Nuvem
Mariposa à sombra
Dor que não passa


Não sei quem sou
Estou incógnita de mim!

4 comentários:

  1. Lendo voce lembrei de uma musica:

    É, pode ser que a maré não vire
    Pode ser do vento vir contra o cais
    E se já não sinto teus sinais
    Pode ser da vida acostumar

    Será, Morena?
    Sobre estar só, eu sei

    Nos mares por onde andei
    Devagar dedicou-se, mas
    O acaso a se esconder
    E agora o amanhã, cadê?

    Los Hermanos - Os Barcos

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Gosto desta densidade.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  3. Por vezes assim, incógnita de mim, também fico.

    Valéria, grande beijo!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia,Valeria!!

    Intenso...por vezes acontece...
    Beijos!!

    ResponderExcluir