sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Inaudível

Grito no silêncio do meu quarto
As dores contidas
Grito no silêncio da noite
As mentiras guardadas
Grito no silêncio da solidão
Os desejos represados
Grito!
Mas ninguém ouve.
Grito!
Mas o silêncio permanece.
Grito!
Ecôo por todos os poros
O silêncio que ensurdece.

7 comentários:

  1. Hola querida Valeria, un poema muy profundo grito de silencio nostálgico sentir.

    Besos que tengas un lindo fin de semana.

    ResponderExcluir
  2. MUITO, MUITO, MUITO BOM!!!!!!!!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Uau!!! Lindo poema! Amei querida... sua sensibilidade é única! :)

    Desses gritos, só se ouvem mesmo aqueles que são inperceptíveis aos nossos ouvidos... :)

    Beijinho e lindo fim de semana pra vc!

    ResponderExcluir
  4. Nossa.......vc mandou bem demais...... eu ouvi daqui os seus gritos de silêncio de tão intensos que foram....
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Só irão ouvir os nossos gritos, no silêncio da alma, apenas quem tem sensibilidade para amar, para preocupar com o nosso semelhante, apenas quem ainda quer nos cuidar.
    Mas os gritos direcionados a quem não nos deseja , ou nos ignoram, jamais chegarão até eles.
    Uma noite linda minha amada amiga.
    Um abraço apertadinho.

    ResponderExcluir
  6. Belo poema, apesar da tristeza...é amiga, as vezes o silêncio grita...mesmo que gritos imperceptíveis aos ouvidos, porém intensos na alma.
    Beijos e boa semana
    Valéria

    ResponderExcluir
  7. Gritamos a solidão, as dores, as incertezas, mas o silêncio quase sempre abafa todos os gritos.Belo poema, obrigado pela visita, já te sigo. Passe no meu outro blog, tem selos pra você, beijos.

    http://ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderExcluir