domingo, 31 de outubro de 2010

Sozinha - contos mínimos XII



O sono saiu pela janela

A saudade entrou pela porta e pôs-se a ver televisão com a insônia.

Ela, que não expulsara nem convidara ninguém, fez sala.


Segredo



A palavra que nunca foi dita
Grita, agora, em meus ouvidos
O gesto que nunca foi feito
Contorce minhas mãos
A imagem que não quis ver
Está estampada em meus olhos
O perfume que não senti
Sufoca minhas narinas
O toque que recusei
Desperta meu desejo...
Estremeço
Fujo
Nego
Mas todos os meus sentidos
Pedem você

sábado, 30 de outubro de 2010

Areia



Fina, seca, translúcida, vítrea
Temporal, tempestuosa
Escrita, proscrita
Vista, revista
Portadora de sentimentos
De mensagens indeléveis
Sonhos impressos
Desenhos gravados
Arte anônima
Castelos grandiosos
Esculturas criativas
Corações expostos
Levados pelo vento
Brilho
Deserto
Solidão
Caminho
Passagem
Provação
Traiçoeira
Movediça .

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Revelação




Eu não me conheço

Ele não me conhece

Sou enigma

Segredo guardado a sete chaves

Palavra presa

Pensamento impedido

Mãos atadas

Passos não dados

Meia luz

Porta entreaberta

Desconhecida

Prestes a explodir.



- Tu não me conheces!

"Gente é pra brilhar..."



Gosto de gente

Tímida

Descontraída

Extrovertida

Calada

Falante

Feliz

Gosto de gente

Par

Ímpar

Igual

Única


Gosto de gente

Humana

Sensível

Atenta

Perspicaz



Gosto de gente

Animada

Ativa

Sossegada

Artista.


Gosto de

Tião

Ledilce

Alfredo

Adriana

Márcia

PH

Manoel

Manuela

Lenir

Hélio

José

Josélia

Rodoval

Amaro

Jorge

Rosa

Maria

Joaci

Rogério

Murilo

Marcelo

Daniel

Luan

Kamille

Lys

Gente com o mesmo sangue



Paulo Francisco

Cláudia

Vinicius

Márcia

Gente com a mesma alma


Gosto de gente

Que erra

Acerta

Que humaniza

Que poetisa

Que simplesmente existe!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Enfrentamento - contos mínimos XI




No caminho da menina, uma perereca estática.

A menina chora com medo.

A perereca, impassível, permanece imóvel.

Uma não entra e a outra não sai.

on line - contos mínimos X



Anos depois, voltaram a namorar. Desta vez pela internet. E descobriram que, virtualmente, eram feitos um pro outro.

Constatação - contos mínimos IX


Olhou-se no espelho e viu que abandonara a si mesma!

O choro


Ela permitiu pela primeira vez que o vento desalinhasse seus cabelos e gostou!

Animada, deixou a fria água do mar tocar seus pés. Adorou aquela nova e perturbadora sensação. Também não se importou que o sol lhe tocasse a pele bronzeando-a...



Arrumou-se, voltou ao cemitério. Chorou profundamente diante do caixão.

Estava livre, então!

sábado, 23 de outubro de 2010

Talvez



Tinha chegado a hora. Passaram-se tantos anos. Conheciam-se desde pequenos. Começaram a namorar durante o Ensino Médio, atravessaram juntos os anos de faculdade. O noivado veio junto com a formatura. Entre os preparativos para o casamento a pós. Sempre juntos.

Apenas alguns minutos a separavam do grande momento. Fechou os olhos e mentalmente tentou uma oração. Nada! A porta fechada deixou-a ainda mais tensa. Ouviu a marcha nupcial muito distante. As pernas tremeram e então se apoiou firmemente nos braços do pai. Ele sorriu e discretamente lhe pediu calma... Nada!

A porta se abriu solenemente. A igreja repleta de flores e amigos era uma visão perturbadora!

Um homem de fraque no altar...



Sem entender como, uma música em alto volume invadiu seus ouvidos . Os acordes irritados pareceram uma irônica trilha sonora para aquele momento.

A marcha, a música... Os pés presos no chão, o olhar atônito de todos...



A marcha... A música: “Should I stay or should I go”



Os pés sem saber que ritmo seguir.

Antíteses


Ela, palavra escrita

Ele, palavra falada.

Ela, respostas curtas

Ele, explicações infinitas...

Ela, ponderação

Ele, explosão

Ela, sinfonia

Ele, rock n’ roll



Ela, caminha com ele

Ele, caminha com ela

Completos,

Simultâneos...

Um!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Mistério





Duas luas!

Não se preocupou, devia estar sonhando.

Tornou a olhar meio cismado. As danadas continuavam lá reluzindo!

Esfregou os olhos, sacudiu a cabeça para ver se acordava, beliscou-se...

Nada! Havia mesmo duas luas no céu.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O atraso - contos mínimos VIII



Meio dia e meia. Uma hora. Duas.
Isso já era abuso!
Saiu tropeçando na paciência, na tolerância, na esperança... no amor.

Encanto

O cheiro que vinha da cozinha era especial. Só ela fazia aquele prato cheirar tão bem.

O bate papo na sala de visitas mudava. Girava em torno dela, da sua habilidade em encantar a todos, de receber todos com carinho e principalmente de cozinhar tão maravilhosamente.

Era possível ouvir os ruídos denunciando a fome de cada um, mas ninguém se atrevia a ir até a cozinha. Era território proibido. O jeito era esperar.

Secretamente, ela se deliciava: mesmo que não estivesse por perto, era o centro das atenções.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Bilhete


Acordei com aquela falta de você.

Hoje ela está especial. Talvez seja o tempo nublado que deixa tudo mais introspectivo, doído... não sei!

Apenas no fundo da alma uma dor me diz que não há você aqui. Meu mundinho está menor, apertado, tristonho.

Há falta de sol

Há falta de calor

Há falta de alegria

Há falta de vida

Há falta de você!

Hoje eu acordei, mas queria continuar dormindo.

Faz frio lá fora.

Faz frio em mim.

O nome -contos mínimos VII



- Dulce?


- Sim. Este é o nome dela.


- Dulce!


- Doce, Dulce...

Amnésia - contos mínimos VI



Mais tarde, ainda cambaleando, procurou um táxi.


Que lugar era aquele?

domingo, 10 de outubro de 2010

contos mínimos V




Era uma vez, um mundo mágico! Cheio de castelos, príncipes, princesas e fadas! Cheio de alegria...


- Ah! Mãe. Sem bruxa não tem graça!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Mais





Não caibo em mim.

Há gritos trancados em meu peito.

Preciso urgentemente de ar.

O nó na garganta aperta.

A impossibilidade de ser, sufoca.

Não caibo em mim

Preciso de mais

Mais ouvidos

Mais vozes

Mais abraços

Mais aconchego

Mais cúmplices

Mais de mim

Mais de ti

Não caibo em mim...

Escrevo.

Exponho partes ocultas

Declaro segredos

Encubro sentimentos em via pública.

Preciso urgentemente de ar

Não caibo em mim

Divido secretamente

Sorrateiramente

Meus segredos incontáveis

Preciso de mais

Mais de mim

Mais de ti

Mais de nós.

Escrevo




Transbordo

Extravaso

Derramo

Espalho

Grito.

Escrevo poesia...

Imperativo

Ei, você!

Você mesmo!

Pare um pouco

Ouça .

Respire .

Veja.

Não corra tanto!

Não perca os detalhes!

Viver é mais!

Mais que correr.

Mais que ter

Mais que cumprir

Preste atenção

Pare um pouco.

Passado

Ouço gritos


Conheço essas vozes

Vêm de longe.

Ouço passos

Reconheço-os

Vêm de longe

Amedrontam-me!

Cobram-me!

Por que não fui

Por que não disse

Por que não arrisquei

Por que deixei o tempo passar?

Ouço gritos

Todos meus

Por que não escrever?





Perdida

Acordou. Abriu a janela prestando atenção aos sinais do tempo.Tomou um longo banho bem quente. Colocou uma blusa, calça jeans, um tênis, perfumou-se. Antes de sair, conferiu a bolsa. Trancou a casa.



A chave foi encontrada na lixeira. Os documentos também. Ninguém sabe o que houve.

Não levou nada da confortável vida que tinha. Não disse adeus a ninguém! Desapareceu sob a neblina. Densa, misteriosa....

sábado, 2 de outubro de 2010

Aos Mestres com eterno carinho.

Utópicos idealistas crédulos descrentes céticos egoístas tristes alegres emburrados depressivos engajados políticos alienados excêntricos egocêntricos artistas dramáticos trágicos insuperáveis inesquecíveis criativos antenados sensíveis felizes infelizes sorridentes chorões calmos nervosos apaixonantes odiáveis... Seres humanos!



Sua vida não será a mesma depois deles!